Tecnològicat

Tecnologia i economia política a Catalunya

Público: 'Independentistas têm maioria absoluta no parlamento da Catalunha' #Portugal #News #Noticias #eu #usa


Coligação Juntos Pelo pelo Sim tem 62 deputados, aos quais se juntam dez da Candidatura de Unidade Popular. Os dois blocos que defendem a declaração de independência não conquistaram, no entanto, mais de 50% dos votos. Com mais de 95% dos votos contados nas eleições autonómicas catalãs, os partidos pró-independência obtiveram a maioria absoluta em número de assentos no parlamento regional, mas não em termos de votos.

Assim, a coligação Juntos Pelo pelo Sim – que uniu a Convergência Democrática da Catalunha, do até agora presidente da Generalitat, Artur Mas, à Esquerda Republicana da Catalunha – tem 62 deputados. Pelas convicções independentistas podem juntar-se-lhe os dez eleitos pela Candidatura de Unidade Popular (CUP) – outro partido independentista, anti-capitalista e anti-austeridade.

Antes das eleições, a CUP e a Juntos pelo Sim tinham dito que um resultado deste tipo lhes permitiria declarar a independência de forma unilateral no prazo de 18 meses, seguindo um plano das autoridades catalãs para escrever a sua própria Constituição e criar instituições nacionais, como um exército próprio, um banco central e um sistema judicial independentes dos do Estado espanhol.

"Hoje temos uma dupla vitória. Ganhou o sim e ganhou a democracia. Todos os que nos diziam que não havia vontade de votar na Catalunha que tomem nota", declarou Artur Mas.

No entanto, em percentagem do número de votos, estas duas formações obtiveram apenas 48,06% dos 3.041.855 catalães que foram votar (de um universo de 5.333.790 de pessoas recenseadas). Ficam portanto abaixo dos 50% que seria exigível numas eleições a que Artur Mas quis dar um carácter plebiscitário – tornando-as uma forma de referendar a independência, já que o referendo, propriamente dito, foi impedido por Madrid.

A participação nestas eleições atingiu um recorde: 77% dos eleitores recenseados foram às urnas, enquanto nas de 2012, as mais concorridas até agora, tinham sido 68%.

A maioria dos votos expressos – 51,94% - foi confiada a partidos que não defendem a declaração unilateral da independência, sob nenhuma forma, ou então que não defendem o caminho desenhado pela coligação Juntos pelo Sim.

Em segundo lugar ficou um partido claramente anti-independência, o Cidadãos, com 25 deputados. O novo partido, que está a tornar-se uma força considerável no panorama político espanhol, ficou à frente do Partido Socialista da Catalunha, que ficou em terceiro, com 16 deputados. Já o Partido Popular, que é a força de governo em Madrid, conseguiu apenas 11 eleitos para o parlamento regional catalão – é o seu segundo pior resultado histórico, diz o El País.

A coligação eleitoral de forças de esquerda Catalunha Sim é Possível, que rejeita a ruptura unilateral defendida pela coligação Juntos pelo Sim e pela CUP e é favorável a um referendo sobre a independência, também não teve um bom resultado: ficou-se por dez deputados.

Com este resultado, não é de todo garantido que Artur Mas continue a ser o presidente da Catalunha. Ele não encabeça a lista eleitoral da coligação, e a CUP afirmou que não o apoiaria para continuar a liderar a Generalitat. Na verdade, Mas tem poucos apoios.

Pelo caminho há ainda as eleições legislativas espanholas, em Dezembro, que podem afastar o Governo do Partido Popular de Mariano Rajoy, que se tem oposto radicalmente às reivindicações de outro estatuto para a Catalunha, agudizando os sentimentos independentistas. Os protagonistas, no final deste ano, podem assim vir a ser outros que não Mas e Rajoy. E o caminho aparentemente encetado com estas eleições pode seguir por outras vias.


0 comentaris:

Publica un comentari a l'entrada